Dicas sobre Transferência de veículos

Dicas de segurança ao transferir os documentos do veículo

Está pensando em vender ou comprar um veículo usado. Essa transação não é complicada, mas requer certos cuidados. Para você não sair no prejuízo a dica é prestar atenção em todo o processo.

Agora, se você não entende nada disso o melhor a fazer é contratar um profissional qualificado para dar conta desse serviço, aqui na Haro nós também oferecemos este serviço. Assim, você evitará que erros possam ser cometidos. Nesse caso, o despachante é o mais indicado. Ele tem a incumbência de resolver demandas junto a departamentos públicos.

Contudo, é fundamental ter uma noção do serviço que será realizado pelo profissional. Esse tipo de trabalho é considerado intermediário. Portanto, o despachante não realiza serviços de responsabilidade do DETRAN. Porém, pode providenciar junto ao departamento o que for necessário para desempenhar o serviço solicitado.

No Brasil, cada estado tem normas específicas em relação aos serviços oferecidos pelo DETRAN. As regras para executar o trabalho de despachante podem variar de acordo com o estado.

Mas, em todas as regiões é obrigatório que o profissional registre seu escritório de despachante para atuar no setor de trânsito juntamente com o DETRAN. Portanto, o DETRAM controla o trabalho do despachante em cada estado.

Então, se você já encontrou o veículo que deseja comprar ou fez contato com uma pessoa interessada em adquirir seu veículo, chegou o momento de negociar os valores. Em seguida, partir para a fase de transferência dos documentos.

Qual a função do despachante de trânsito

O despachante que trabalha com a regularização de veículos atua na emissão e organização de documentos. Ele também atua em vistorias, emplacamentos e outros serviços desse tipo. Porém, seu trabalho é realizado nas cidades e não dentro do departamento de trânsito. Dessa forma, basta procurá-lo em sua região para efetuar a transferência do seu veículo.

Saiba mais sobre transferências de veículos

Muitas pessoas já sabem que transferir um veículo (carro, moto, caminhão, etc) modifica o registro de propriedade. Portanto, é preciso emitir o Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV) e o Certificado de Registro de Veículo (CRV).

Antes de mais nada, você precisa saber que um carro não pode transitar sem placa e registro (Renavam). Nesse documento constam todas as informações relacionadas ao veículo. Por exemplo: acidentes, taxas e até mudança de proprietário. Os dados do veículo são encontrados no CRLV, como número do Renavam, chassi e placa, além de dados pessoais do proprietário.

Esse documento necessita de renovação todos os anos, mediante o pagamento de impostos como o DPVAT, IPVA e outras taxas. Saiba que, se o motorista for autuado com o veículo em situação irregular, a multa pode chegar a R$ 293,47 reais. Além disso, somam 7 pontos na CNH, porque essa infração é considerada gravíssima.

Agora, quando o carro é vendido, o registro deve ser atualizado. Tudo é controlado pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). É de responsabilidade desse órgão guardar os dados do Renavam. Dessa forma, quando houver uma transferência, as informações serão alteradas e um novo CRLV será emitido.

O Detran é o departamento responsável pelo emplacamento e licenciamento dos veículos, além das transferências. Os dados estão contidos em um banco de dados em âmbito nacional. Porém, o controle é realizado localmente. Portanto, a transferência do veículo deve ser solicitada ao DETRAN. Confira os documentos que serão solicitados: 

– CNH ou RG (original e cópia);

– Comprovante de residência (cópia);

– CRV com os dados do proprietário anterior (reconhecer firma em cartório, do comprador e do vendedor);

– CRLV (original e cópia) com os comprovantes de pagamento de multas, IPVA e licenciamento;

– Renavam e número do chassi (cópias). Além disso, comprovante de que não há dívidas vinculadas ao Renavam.

A mudança de proprietários nunca deve ser realizada antes da conclusão do acordo feito entre o comprador e o vendedor. Apenas depois do fim das transações financeiras a transferência deve ser realizada. Nessa fase, também é fundamental verificar as pendências e quitá-las. 

Depois de receber o pagamento, o proprietário anterior deve preencher o CRV com os dados do novo dono, colocar a data, assinar e reconhecer firma em cartório. Após o preenchimento desse documento, o comprador deve solicitar um documento novo em até 30 dias. No entanto, esse procedimento deve ser agendado para a vistoria do veículo no DETRAN. Além disso, será preciso confirmar a quitação de débitos.

Você também pode solicitar o bloqueio do veículo, caso o comprador não tenha efetuado a transferência dentro de 30 dias. Assim, você não receberá cobranças indevidas geradas pelo novo proprietário. Portanto, ele precisa regularizar a condição do veículo para que você não seja prejudicado. 

É fundamental manter-se informado sobre a legislação e questões que podem surgir no decorrer do processo de transferência de documentos. Para evitar problemas na compra ou venda de um veículo usado, siga nossas dicas e tudo vai dar certo.

Razões para contratar um seguro de automóvel
Razões para contratar um seguro de automóvel
Post anterior
Conheça alguns motivos para comprar o Toyota Corolla 2.0 XEI Automático
Conheça alguns motivos para comprar um Toyota Corolla
Próximo posts
  1. Francisco says:

    Boa noite,
    mimha transferência é de propriedade e eu terei que mudar o mome município, minha dúvida é em qual momento eu coloco as targetas ?
    Eu faço a transferência de posse com o nome da minha cidade e após isso me dirijo para colocar as targetas ?
    Da uma luz aí meu amigo

    1. Haro Motors says:

      Olá Francisco boa tarde. Você pode alterar a cidade após a transferência sem problemas, apenas precisará entrar no site do detran e emitir a DAE para alteração de endereço/cidade do veículo.

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *